As autoridades estão a investigar as vendas de imóveis e terrenos realizadas pela Herdade da Comporta nos últimos dois anos, tendo inclusive arrestado propriedades vendidas a membros da família Espírito Santo e a terceiros relacionados com o clã, apurou o Diário Económico junto de fontes judiciais. Na semana passada, a pedido do Ministério Público, o tribunal decretou o arresto preventivo de mais de 600 imóveis “relacionados com o universo Espírito Santo”. Segundo a PGR, “o arresto preventivo é uma medida de garantia patrimonial que visa impedir uma eventual dissipação de bens que ponha em causa, em caso de condenação, o pagamento de quaisquer quantias associadas à prática do crime, nomeadamente a indemnização de lesados ou a perda a favor do Estado das vantagens obtidas com a actividade criminosa”. Económico