United Nations Global Compact

O United Nations Global Compact é uma iniciativa desenhada para empresas comprometidas em alinhar as suas atividades e estratégias com dez princípios universalmente aceites nas áreas de direitos humanos, trabalho, meio ambiente e, mais recentemente, combate à corrupção. Parte assim da premissa de que também cabe às empresas ajudar a garantir que organizações de mercado, comércio, tecnologia e finanças progridam de forma a beneficiar as sociedades e economias por todo o mundo.

Anunciada pela primeira vez no Fórum Económico Mundial, a 31 de janeiro de 1999, pelo então Secretário-Geral das Nações Unidas, Kofi Annan, esta iniciativa foi oficialmente lançada na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, no dia 26 de julho de 2000.

Atualmente, conta com mais de 8.700 empresas participantes e partes interessadas em mais de 130 países, facto que lhe confere a posição de maior iniciativa de responsabilidade corporativa voluntária do mundo.

Objetivos

O United Nations Global Compact tem como principal objetivo desenvolver, implementar e divulgar políticas e práticas de sustentabilidade, oferecendo aos participantes um amplo espetro de fluxos de trabalho, ferramentas de gestão e outros recursos, todos concebidos para ajudar a melhorar os modelos empresariais sustentáveis.

Apresenta ainda dois objetivos complementares:

– Integrar os dez princípios nas atividades empresariais por todo o mundo;

– Catalisar ações de apoio aos mais amplos objetivos de desenvolvimento da ONU, incluindo, por exemplo, os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM).

Para o alcance desses objetivos, a iniciativa oferece às empresas participantes a oportunidade de melhorar as suas práticas através de vários mecanismos: colaboração, aprendizagem, redes locais e parcerias.

Características e Princípios

A todas as empresas que adiram ao United Nations Global Compact é pedido que aceitem, apoiem e apliquem, dentro da sua esfera de influência, um conjunto de valores fundamentais nas áreas dos direitos humanos, trabalho, meio ambiente e combate à corrupção.

A. Direitos Humanos

Princípio 1 – As empresas devem apoiar e respeitar a proteção dos direitos humanos reconhecidos internacionalmente;

Princípio 2 – Certificar-se de que não são cúmplices em abusos dos direitos humanos.

B. Trabalho

Princípio 3 – As empresas devem defender a liberdade de associação e o reconhecimento efetivo do direito à negociação coletiva;

Princípio 4 – A eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório;

Princípio 5 – A erradicação efetiva do trabalho infantil;

Princípio 6 – A eliminação da discriminação no emprego e profissão.

C. Meio Ambiente

Princípio 7 – As empresas devem apoiar uma abordagem preventiva sobre os desafios ambientais;

Princípio 8 – Desenvolver iniciativas com o fim de promover maior responsabilidade ambiental;

Princípio 9 – Incentivar o desenvolvimento e a difusão de tecnologias ambientalmente sustentáveis.

D. Combate à Corrupção

Princípio 10 – As empresas devem combater a corrupção em todas as suas formas, incluindo extorsão e suborno.

Anunciado em 2004, durante a Cimeira dos Líderes do United Nations Global Compact, o 10º Princípio foi adotado depois de diversas consultas que contaram com o apoio e incentivo de todos os participantes, mostrando um novo empenho do setor privado na participação no combate à corrupção.

Ao adotar este Princípio os membros do United Nations Global Compact comprometem-se, não só a evitar o suborno, extorsão e outras formas de corrupção, mas também a desenvolver políticas e programas concretos para fazer face ao fenómeno. As empresas são ainda estimuladas a unir forças com os seus parceiros, governos e organizações da sociedade civil, com o intuito de tornar a economia global mais transparente.

Para mais informações, consulte o site – http://www.unglobalcompact.org/.